Porque o fator humano ainda é a mais importante variável do planejamento de mídia

Roberto Cabrera

Co-founder & CEO Keep.i

05 · jun · 2017

Muito tem se falado sobre a presença dos dados na hora de planejar uma campanha. Apesar do volume avassalador de informações, decisões orientadas á dados não são uma premissa do mundo atual. Ainda que as agências em muito se esqueçam, era na rua, entendendo o sentimento da audiência que constituía-se um volume de dados capaz de nos levar a intuição.

A explosão das plataformas de mídia e veículos tornaram o processo de planejamento de mídia muito mais complexo e, como alguns argumentariam, muito lento (e talvez ainda muito humano) para o mundo digital de hoje. Ainda que este processo esteja em plena mutação e avance para um ambiente cada vez mais instantâneo e automatizado, é importante que os profissionais tenham espaço para assumir riscos.

Sim, o planejamento de mídia precisa ser reinventado, assim como é cada vez mais importante que tenhamos a clareza de que sem o protagonismo destes profissionais seria impossível conectar e transformar o sentimento dos consumidores em estratégias de comunicação que realmente façam a diferença, seja ela orientada por dados, ou não.

 

“O conhecimento é o processo de acumular dados; a sabedoria reside na sua simplificação.”

Martin H. Fischer

 

Os consumidores digitais, o comércio digital e as oportunidades digitais acontecem em tempo real 24 horas por dia, 7 dias por semana, o que significa que os planejadores também devem começar a pensar as ações nesse mesmo timing. A boa notícia é que as ferramentas e os dados necessários estão disponíveis para auxiliar nesse trabalho duro.

Na medida em que a segmentação e a compra programática se tornam mais onipresente, aumenta-se a importância de pensar os dados como parte do processo, extraindo informações que não estão nos boards padrões de métricas, transformando estas análises em vantagens competitivas em um mundo algorítmico.

É preciso pensar fora da caixa e saber usar a intuição como um aliado. Saia já da bolha dos números e vá a campo buscar a variável que potencializa a ideia.

A comunicação de resultados não está apenas nos números, mas no intangível inconsciente daqueles consumidores que querem mais que apenas eficiência, portanto, pesa sobre você algo que nenhum algoritmo pode ser codificado para fazer.

Assuma a responsabilidade e faça bom uso desse insight!