13 indicadores que vão te convencer a implementar uma gestão orientada a dados

Roberto Cabrera

Co-founder & CEO Keep.i

05 · jun · 2018

Quando falamos de gestão orientada a dados é importante ressaltar que nem sempre o mais relevante são as ferramentas. Uma das principais forças para a construção de uma cultura orientada a dados, é a definição dos valores a serem transformados pelas mudanças que essa iniciativa traz consigo.

Apesar de surgirem nos últimos anos diversos cursos de capacitação em análise de dados, encontrar as pessoas certas, com honestidade intelectual, com nível de curiosidade e criticidade alto e que principalmente usarão métricas para responder a perguntas de negócio, seja talvez o maior desafio da indústria nos próximos anos.

 

Cultura orientada a dados; Data-Driven

 

Segundo uma pesquisa divulgada pelo MIT, 2018 MIT Sloan Management Review, a maioria dos líderes globais diz que o fator mais importante na experiência do cliente é garantir que sua equipe tenha acesso aos dados do cliente. Além disso, 59% das empresas que usam análise de dados nos seus negócios, dizem que isso lhes dá uma vantagem competitiva. Apesar desses números promissores, 88% dos profissionais de marketing dizem não  usar os dados em todo o seu potencial.

“Algumas marcas estão nadando em dados, mas todos eles estão centralizados dentro de uma hierarquia tradicional de compartilhamento de informação.”, disse Frank Bien co-autor do livro Winning with Data e Founder da Looker, plataforma de BI

A Accenture Ressearch, divulgou um compilado das principais pesquisas relacionadas a introdução de dados na cultura corporativa. Os números são surpreendente e mostram o quanto ainda precisamos avançar nessa temática:

37% dos profissionais de marketing dos EUA sentem que suas atuais parcerias de dados não têm inovação.

75% dos profissionais de marketing não estão totalmente confiantes de que os dados que estão utilizando atingem os consumidores no mercado.

60% das decisões de marketing e TI listam falta de vontade do cliente em compartilhar dados como o maior desafio de coleta de dados.  

49% dos executivos de grandes empresas dizem que sua maior falta de habilidades está na análise de dados.

30% do tempo da empresa é gasto na coleta ou coleta de dados.

39% das empresas usam dados para melhorar os esforços de marketing.

42% das decisões de marketing são feitas usando análises.

61% dos CEOs esperam que a análise de dados seja o maior investimento em tecnologia nos próximos três anos.

9,2% dos orçamentos são dedicados a investimentos de análise de marketing – a maior área de gasto.  

19,1% dos profissionais de marketing dizem que o papel da alta gerência é muito importante para impulsionar o uso da análise de marketing em sua empresa.

71% dos líderes empresariais dizem que o fator mais importante da experiência do cliente é garantir que sua equipe tenha acesso aos dados do cliente.

59% das empresas que usam analytics dizem que a análise de negócios cria uma vantagem competitiva.

 

Fontes:

2017 KPMG Study: https://home.kpmg.com/xx/en/home/insights/2017/01/data-this-time-its-personal.html

2017 BazzarVoice Study: https://www.bazaarvoice.com/press/bazaarvoice-and-ad-age-research-reveals-increased-data-usage-but-lack-of-transparency-in-digital-advertising/

2017 SiteScore Study: https://www.sitecore.com/company/press-and-media/press-releases/2017/10/new-study-reveals-brands-fail-to-use-customer-data-to-deliver-personalized-digital-experiences

2018 The CMO Survey: https://cmosurvey.org/

2017 Experian Study: https://www.edq.com/uk/resources/papers/global-data-management-research-2018/

IAB Winterberry Group Study/ criteo: https://www.winterberrygroup.com/our-insights

2017 Harvard Business Review: https://hbr.org/2012/10/big-data-the-management-revolution

2018 MIT Sloan Management Review: https://sloanreview.mit.edu/